Oct 20, 2017

European atlas of forest Tree species

San-Miguel-Ayanz, J., de Rigo, D., Caudullo, G., Houston Durrant, T., Mauri, A. (Eds.), 2016. European Atlas of Forest Tree Species. Publication Office of the European Union, Luxembourg.
European Commission, 2016
"The European Atlas of Forest Tree Species is both a scientific publication, in which researchers and forest specialists can find rigorous and up-to-date information on the many tree species of our forests, and a publication suited for education and the dissemination of information about the richness of our forests to our generation and future generations. (...) Each chapter of the Atlas presents, in addition to the description of each tree species, high quality graphics and photographs showing the climatic preferences and singularities of the different species of trees."

October in the garden

October in the garden

Oct 14, 2017

Passaram 11 anos


... sobre a Resolução do Conselho de Ministros n.º 124/2006 (Diário da República, Série I, de 2006-10-03) onde se anunciava a reviravolta do sistema dos laboratórios do Estado. Entre outras entidades científicas a extinguir, lia-se no ponto 5, do anexo:
"É extinto o Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI), sendo os seus recursos científicos e tecnológicos, humanos e materiais reorganizados e integrados noutros laboratórios, centros tecnológicos, instituições de ensino superior e consórcios a criar. Em particular, as infra-estruturas do INETI transformam-se em parque de ciência e tecnologia com a participação e gestão de universidades, laboratórios associados e laboratórios do Estado e alargam-se a parcerias com empresas, no quadro de projectos definidos, organizando-se ainda como espaço de acolhimento de programas europeus de I&D."
Para onde foram o que apelidam de "recursos científicos"? E os "recursos tecnológicos e materiais"? E os «recursos humanos»? Onde está o «parque de ciência e tecnologia com a participação e gestão de universidades, laboratórios associados e laboratórios do Estado»? 

Pelo meio, no decurso destes 11 longos anos, foram-se perdendo unidades, recursos científicos, tecnológicos e materiais. As cerca de 1000 pessoas na altura? Umas foram resistindo, outras cedendo, sucumbindo, caindo ou tombando... foram reconvertendo horizontes científicos em reformas antecipadas, em trabalho administrativo, em fragmentos profissionais, em alternativas à ciência. Foram-se esvaziando as competências, as capacidades. As equipas que outrora alimentavam e captavam recursos da UE para o país, foram extintas por uma resolução de quem nos governava. Ao mesmo tempo, acabavam com novas admissões ou valorização dos que ficaram.

O que ganhou o país com esta resolução? que tenha justificado a perda cientifica e tecnologica que existia no INETI, a perda de dezenas de unidades e mais de 750 pessoas? Quais os reflexos e impactos que provocaram (ou ainda provocam)? E na vida dessas pessoas que trabalhavam (trabalham) no INETI (actual LNEG, com cerca de 250 trabalhadores dos 1000 existentes aquando da resolução de extinção)? Quem beneficiou com o desmantelamento do INETI?