Feb 19, 2005

Chegou a minha vez...

Há cerca de um ano atrás, escrevi que a tese é o «tempo» que nos testa a resistência mas também a persistência. Diria mesmo, que alguma dose de casmurrice, também é benéfica ;-)

Tenho menos de 10 dias para ser finalmente confrontada com a etapa final: a defesa da tese. Olho agora para o manuscrito que entreguei o ano passado e que entretanto ganhou vida própria. Leio-me... Angústia de uma etapa que se encerrou em papel mas não na elaboração e no questionar. O próprio nome do acto me assusta: «defesa» sempre me soou a tribunal, para além disso, se há um arguente serei eu a arguida, o que me reforça a noção de ir a julgamento.

Ok, estou nervosa (muito)! Em frente... Tenho agora que preparar uma apresentação de 20 minutos. O que quer dizer que é necessário ser sintética, falar do essencial, cronometrar cada palavra, e depois antecipar questões, para além de todas as antecipadas nos últimos tempos... Alguma que queiram partilhar?

9 comments:

  1. Mónica, desejo que corra muito bem, como estou certo vai correr. O essencial está feito, quando se entrega a dissertação. O resto é um ritual de validação.

    ReplyDelete
  2. Questão: Tomemos como hipótese que a maioria das empresas e organizações adoptaria o Blogging. E dessas, algumas teriam sucesso. Para o caso destas últimas, que ferramentas e que plano seguirias tu, de modo a determinar com segurança a quota-parte desse sucesso que foi devido ao Blogging?

    Nota: Mónica. Como te disse uma vez, foste tu que realizaste o trabalho, não eles. Pelo que és tu que estás mais à vontade, não eles ! Em grande parte fazer uma tese, significa combatermo-nos a nós próprios. Nesse dia serás tu contra o teu próprio receio de ti mesma. Vai correr bem. Acredita em ti. Abraços, Vitorino.

    ReplyDelete
  3. Fui acompanhando o teu trabalho ao longo do tempo. Agora, na fase final, quero desejar-te o maior sucesso na defesa. Também eu passarei por essa fase daqui a mais uns (ainda longos) meses.

    ReplyDelete
  4. Obrigada pelas palavras! Neste momento sabem mesmo bem. Apesar de ser um ritual, tal como o Manuel diz, sinto que o grande medo é o receio de mim própria, tal como diz o Vitorino. Às vezes gostava de ter um pouco mais de confiança em mim própria... Gostei de descobrir que alguém acompanhou o desenrolar do processo sem eu ter descoberto. Obrigada também, Patrícia. Prometo partilhar as lições aprendidas e força (agora também poderei acompanhar o desenrolar da tua tese ;-)

    É também por estas manifestações que, desde que criei o blog, me sinto menos só. Obrigada,

    Mónica

    ReplyDelete
  5. ... (continuação) ...

    (6) testa a iluminação, computador, projector e apresentação 2 horas antes;

    (7) verifica a cor de fundo e da letra dos slides, usa fundo branco com letra preta ou azul escura;

    (8) Uma hora antes vai dar uma volta, apanhar ar, não penses na apresentação nem na defesa da tese;

    (9) respira fundo, bebe um pouco de água, agradece a presença e disponibilidade do Júri e também a do público;

    (10) se as palavras te parecem tremidas ou enferrujadas ao princípio não te preocupes, a confiança começa pouco depois.

    Sei que vai correr bem.
    Frederico Figueiredo

    ReplyDelete
  6. É um desafio interessante defender dois anos de trabalho em apenas 20 minutos. Mas tudo é possível, desde que nós o acreditemos. Do que tenho visto e da experiência que tenho, os meus conselhos:

    (1) prepara bem a apresentação, treina o que vais dizer em cada slide (não decores, treina);

    (2) usa imagens, uma imagem vale por mil palavras;

    (3) não ponhas nos slides tudo o que queres dizer, coloca apenas os títulos;

    (4) reserva aproximadamente 2 minutos para os slides mais importantes;

    (5) leva água e um relógio para controlares o tempo;

    ... (continua já de seguida) ...

    ReplyDelete
  7. Thanks, Fred!

    Acho que podemos colocar isto no espaço dos encontros TET... tenho a vaga sensação que poderá vir a ser útil para mais alguém ;-)

    Mónica

    ReplyDelete
  8. Muito boa sorte! Vai correr bem, tenho a certeza.

    ReplyDelete
  9. Força, Mónica.
    Tenho a certeza de que tudo correrá bem...

    ReplyDelete